Sunday, January 05, 2014

Homenagem a Eusébio (1942 - 2014)

O antigo jogador do Benfica, Eusébio da Silva Ferreira, morreu na madrugada de hoje em Lisboa.  
Eusébio, de 71 anos, morreu às 04:30 vítima de paragem cardiorespiratória.
Eusébio da Silva Ferreira, o maior símbolo do futebol português, chegou a Lisboa no Inverno de 1960.Nascido a 25 de Janeiro de 1942, Eusébio tornou-se a maior lenda do futebol português, não só ao serviço do Benfica, na década mais gloriosa do clube (anos 60), mas também da selecção nacional, com o terceiro lugar no Mundial de 1966.Com o número 10 nas costas ao serviço das "águias" e o 13 com as "quinas", o "Pantera Negra" teve os seus momentos mais altos no segundo título europeu do Benfica (5-3 ao Real Madrid) e no Mundial de Inglaterra 66, onde foi o melhor marcador. A forma determinada e o espírito de sacrifício com que se entregou à profissão são a "chave" do êxito que teve ao longo de uma carreira recheada com um título europeu de clubes, um terceiro lugar num Mundial e uma série "interminável" de prémios individuais e... de golos, muitos golos."Nunca tive medo de levar pancada. Só no joelho esquerdo, fui operado seis vezes ao menisco... mas nunca tive medo, porque sempre gostei de jogar", revelou em várias entrevistas. 
Longe vão os tempos da sua chegada a Lisboa, numa viagem repleta de secretismo - o Sporting concorria pelo jogador - e que significou o abandono do futebol amador moçambicano e o ingresso num Benfica colossal, que se preparava para conquistar a sua primeira Taça dos Campeões Europeus.
Depois dessa noite, o futebolista - face ao diferendo entre Benfica e Sporting - ainda teve que esperar alguns meses para se estrear pelos "encarnados", a 23 de Maio de 1961, dando início a uma carreira de sucesso.A sua chegada ao futebol foi muito polémica e faz parte dos anais do futebol: a actuar no Sporting de Lourenço Marques, filial do Sporting, era pretendido pelos "leões", mas foi o Benfica que ganhou... uma "louca" corrida.Para levarem a melhor, os dirigentes "encarnados" utilizaram mesmo um código nas suas comunicações telefónicas e telegráficas com Moçambique, de forma a despistarem os "leões", referindo-se ao jogador através de um nome de mulher - Rute.Parecia um "filme de espiões": Eusébio foi levado num Volkswagen com matrícula do governo directamente para as escadas do avião "Super Constelation", no qual foi o último a embarcar, sem que o seu nome tenha sequer feito parte da chamada dos passageiros.Inconformado com o facto de verem Eusébio evoluir na Luz, o Sporting chegou mesmo a acusar os dirigentes rivais de terem raptado o jogador, mas Eusébio nega esta versão e garante que o Benfica ganhou por ter negociado com a sua mãe e o seu irmão."O Benfica estava à frente porque falou com a minha mãe e o meu irmão. O Sporting fala em rapto, mas eu nunca poderia aceitar ter sido raptado", explicou Eusébio, que, depois de chegar a Lisboa, viveu durante quatro meses no "Lar do Jogador" do seu novo clube, isto depois de 10 dias no Algarve com o dirigente Domingos Claudino.E seria só na época seguinte que a Europa se preparava para descobrir um dos mais importantes talentos da história do futebol, enquanto para trás ficavam as "peladinhas" com bolas de trapos e uma época (1959/60) ao serviço do Sporting da sua cidade, Lourenço Marques, actual Maputo.A subida da "escadaria" da glória deu-lhe a alcunha de "Pantera Negra" e conduziu-o à conquista dos mais importantes troféus pessoais atribuídos a futebolistas, rivalizando em popularidade com "mitos" como o brasileiro Pelé, o alemão Franz Beckenbauer, o hispano-argentino Alfredo Di Stefano e o holandês Johan Cruyff.Famosas ficaram as suas arrancadas demolidoras e os "petardos" desferidos de todos os ângulos e a qualquer distância da baliza, que ainda hoje levam muitos a falar de um "pontapé à Eusébio" para "adjectivar" um remate muito forte e colocado.A entrada quase directa no "onze" titular de um Benfica campeão europeu, prevista pelo defesa Germano nos balneários logo após um dos primeiros treinos que Eusébio efectuou no "ninho das águias", foi o começo de uma carreira sem par no panorama do futebol português.O talento ímpar era constatado pelos colegas nos treinos e o capitão José Águas terá mesmo dito: "eu não sei, até posso ser eu, mas alguém tem que sair para ele jogar", o que viria a acontecer, mas com o campeão europeu Santana.O currículo de Eusébio é único: sete vezes melhor marcador do campeonato nacional (1963/64, 64/65, 65/66, 66/67, 67/68, 69/70 e 72/73), duas vezes o melhor marcador europeu (1967/68 e 72/73) e uma vez eleito melhor futebolista europeu.Além disso, o "Pantera Negra" foi 11 vezes campeão nacional pelo Benfica - alinhando em 294 jogos, nos quais marcou 316 golos -, ganhou cinco Taças de Portugal, foi campeão europeu em 1961/62 e finalista da Taça dos Campeões em 1962/63 e 67/68.A sua carreira ficou ainda marcada pela presença em 64 jogos da selecção nacional, pela qual se estreou em 8 de Outubro de 1961 com uma derrota no Luxemburgo (4-2) e pela participação em dois encontros da selecção mundial e 12 da selecção europeia.No Mundial de 1966, em Inglaterra, Eusébio foi o grande responsável pelo terceiro lugar conquistado pela turma das "quinas", ganhando o troféu destinado ao melhor marcador da prova, com nove golos, e sendo considerado o melhor jogador da competição.A sua melhor exibição de sempre terá acontecido no jogo com a Coreia do Norte, dos quartos-de-final, quando Eusébio marcou quatro golos e levou Portugal ao "colo" para as meias-finais (5-3), isto depois dos asiáticos terem chegado rapidamente a... 3-0.Encravado na sua carreira ficou uma frustrada transferência para Itália, apesar de o Benfica ter aceitado uma proposta de três milhões de dólares (então cerca de 90 mil contos) para vender o seu "passe" ao Inter de Milão... o ditador Oliveira Salazar considerou-o "património nacional". Condecorado pelo Governo português com os colares de Mérito Desportivo (1981) e de Honra ao Mérito Desportivo (1990), Eusébio recebeu também a "Águia de Ouro", o mais alto galardão do Benfica, em 1982, enquanto a sua vida inspirou livros biográficos, filmes de longa-metragem e álbuns de banda desenhada. Menos ortodoxa foi a homenagem prestada em 1990 por um grupo de rock de Manchester, Inglaterra, que adoptou como designação o nome de "Eusébio", mais de 20 anos depois de o "Pantera Negra" ter "brilhado" a grande altura num Mundial... que merecia ter ganho. Jamais serão esquecidas as suas lágrimas após o Inglaterra-Portugal.No papel de embaixador da selecção e símbolo vivo do Benfica, Eusébio ultrapassou alguns problemas de saúde nos últimos anos, primeiro em 2007 quando teve que ser operado à artéria carótida esquerda, para prevenir um eventual acidente vascular cerebral (AVC) e depois uma pneumonia bilateral. No ano de 2012 passou o Natal hospitalizado com pneumonia e no início de 2013 teve que regressar à unidade hospitalar, mas com um quadro clínico de cervicalgia, depois de se ter queixado de dores.

Eusébio da Silva Ferreira faleceu hoje em Lisboa aos 71 anos de idade.

Comments: Post a Comment

Links to this post:

Create a Link



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?