Tuesday, April 07, 2020

ERTHAL E COISA & THAL por EDIEL RIBEIRO


O cartunista Erthal anda sumido. 
Digitalizando a coleção do jornal “Cartoon” - um tablóide de humor que editei no final da década de 80 - me deparei com uma charge do cartunista Erthal, que, na época, trabalhava no jornal “O Globo”. 
Conversei com alguns amigos, e ninguém sabia do Erthal. Ou melhor, quase ninguém. Edra, cartunista mineiro, sabia. 
Fui atrás do homem.
Julio Cesar Dias Erthal, o Erthal, nasceu em Niterói, no Rio de Janeiro, no ano de 1962. 
No final da década de 80, Erthal vinha de uma produtora de animação de um argentino e fazia “frilas” para algumas agências de publicidade, inclusive num dos setores de criação da "TV Globo", (núcleo Roberto Talma). 
Ao mesmo tempo, tocava a carreira de cartunista, participando de Salões Nacionais de Humor.
Foi duas vezes vencedor do Salão Carioca de Humor (1990 e 1995), na categoria “caricatura”; primeiro lugar no Salão Nacional de Humor de Volta Redonda, na mesma categoria (1990); e primeiro lugar no Festival Internacional de Humor de Pernambuco (1999), na categoria “charge”. 
Auto-caricatura - Erthal
Um dia, indicado pela diretora de uma agência de publicidade, procurou o jornal “O Globo” que estava precisando de um chargista para cobrir as férias do Chico Caruso.
“A diretora, ansiosa, até insistiu que eu fosse naquele mesmo dia à redação. Resisti um pouco. Meu foco era a publicidade, não pensava na charge como uma profissão. Mas fui”, diz ele. 
Erthal dividia a charge política, na página de opinião do jornal do jornalista Roberto Marinho, com Aroeira, outro cartunista carioca. Mesmo com a volta do Chico Caruso ao trabalho, Erthal foi efetivado e ficou no diário de 1992 a 2002.
“A equipe de arte de “O Globo” era jovem e super talentosa. Foi um imenso prazer trabalhar com aquela turma, em especial, com o Chico Caruso. Um craque. Uma referência”, diz. 
Charge do Erthal no jornal Cartoon
Além de “O Globo”, o chargista colaborou com os jornais “O Pasquim”, “Cartoon” e as revistas “Época”, “Veja” e “Manchete”.
Criou vinhetas animadas (Plim-Plim) para os 30 anos da “TV GLOBO” (entre as preferidas do público) e contribuiu com o curta premiado “O Curupira” (MultiRio), em 2003. 
Publicou em 1998 o livro “Fatores de Risco”, uma coletânea de seus trabalhos na imprensa, eleito o melhor livro de caricaturas pelo 11º Troféu HQMix. Em 2008, foi premiado no concurso literário Horácio Pacheco, da Academia Niteroiense de Letras, na categoria “crônica”.
O cartunista mantém na internet o blog “Coisa & Tal” (https://erthalcartoon.blogspot.com/ ). Coisa linda. Um portfólio de trabalhos recentes. São tiras, cartuns, caricaturas e charges. Publicados e inéditos, como a excelente tira Zig & Zag.
Entre os novos projetos, Erthal se dedica, principalmente, aos livros infantis. Tem dois prontos, e outros tantos em fase final  de desenvolvimento.
Sobre as influências em seu trabalho, ele comentou: “As influências são muitas. Tantas, que não saberia listar. Difícil, teria que escrever um tratado (risos). Mas as influências que considero mais visíveis nos meus desenhos (excluindo-se a charge) são: Disney (toda trupe genial de animadores clássicos, encabeçada por Milt Kahl); Dick Browne (Hagar o Horrível); Albert Uderzo (Asterix); e Bill Watterson (Calvin e Haroldo). E bem mais recentemente: Ronald Searle”. 
Fã dos clássicos, tanto na música, quanto na pintura e na literatura, Erthal é bem conservador. “Tenho ídolos na música (Bach, Jobim, Mozart, Djavan); na literatura (Rubem Braga, Guimarães Rosa); na pintura (Rembrant, Michelângelo); e ídolos que nada têm a ver com a arte também”, diz.
Hoje, Erthal mora em Niterói, onde trabalha como servidor público - uma profissão de pouco “risco”.


KAFKIÁLOGO Por: Carlos Alberto Villegas Uribe.


- ¿Gregorio?
- Sí, cuéntame
- ¿Cómo te encuentras?
- Pasé una mala noche
- ¿Que fue lo que sucedió?
- Tuve una horrible y reiterada pesadilla.
- ¡No me digas! ¿Cómo fue esa pesadilla?
- Soñé que despertaba convertido en un monstruoso insecto.
- Eso te sucede por juntarte con el tal Kafka.
- No lo creo, aunque es cierto que es bastante depresivo.
- Y tu tienes un carácter bastante influenciable, eso explica tu pesadilla.
- Aunque mi pesadilla no es tan horrible como la realidad de Kafka.
- Tampoco, no te dejes impresionar Kafka no es el único obligado a estudiar.
- Pero, su padre lo obliga a estudiar Derecho y Kafka precisamente detesta el Derecho.
- Pues debería estar agradecido, ¿Cuantos desearían tener un papá que le financiara sus estudios
universitarios?
- Y no sólo lo obliga a estudiar Derecho. se inmiscuye en sus afectos. ¿Recuerdas a Milena?
- Si, claro, la hermosa Milena Jesenska. ¿No es esa la periodista y traductora checoeslovaca que
está casada?
- Pues esa es otra de las pesadillas de Kafka, porque ninguno de los dos se decide a separarse.
- Gregorio, traje tu desayuno predilecto, huevos revueltos con pan recién horneado y café con
leche caliente; dime ¿Puedo Pasar?
- Claro, pasa, pero prométeme que veas lo que veas, no vas a gritar, pasa y búscame debajo de
la cama.
FICHA TÉCNICA: Villegasuribe. MPC20. E1. PU: Gregorio. PT: 210. Autor. Mibonachi Progresivo en Clave 20. Entrada única. Palabra Umbral: Gregorio. Palabras Totales: Doscientas diez


Monday, April 06, 2020

Cabrona morte... por Siro Lopes (in Voz de Galicia)


Desde mozo entendín a morte como parte da vida e seguindo a tradición galega convertina en protagonista de narracións, viñetas e conferencias humorísticas, como a que lin na asemblea da Asociación Española do Corazón, en A Coruña, no 2002, coa que os cardiólogos riron moito.
Si, durante décadas leveime ben coa morte, bromeei con ela e ata me divertía descubrirme entre as siluetas que fan a danza macabra, na escena final da película O sétimo selo, de Igman Bergman. Porén, des que se vale do coronavirus e se converteu na «desgraza traidora, que vén e nunca se sabe onde vén», que Rosalía temía; anóxoa, aborrézoa e non podo arredar da mente os versos que escribiu alguén tan cabreado coma min:
«Muerte, si otra muerte hubiera// que de ti me libertara//
a esa muerte pagara//
porque, a ti, muerte te diera».
O último amigo que perdín por infección do coronavirus foi Dositeo Rodríguez, conselleiro da Presidencia nos gobernos de Fraga e persoa cordialísima. En xaneiro contoume que escribira un libro sobre os seus anos con Fraga, baseándose nas crónicas de La Voz e nas miñas caricaturas, e pediume autorización para reproducilas. Respondinlle que usara cantas quixera, ofrecinme a enviarllas con alta resolución para garantir unha boa reprodución e envieille un quilo de bicos para Carmela, a súa dona, tan entrañable coma el. O 22 de marzo mandoume un vídeo de debuxos animados no que un paxaro de cores ledas canta unha canción moi divertida e rítmica a outro paxaro escuro e triste. Dille que na vida hai problemas, pero preocuparse é duplicalos; e ofrécese a axudalo: «Mírame a min. Chámame se estás mal e fareite sorrir». E repite o retrouso: «Non te preocupes. Se feliz». Rematan bailando e voando xuntos. Cinco días despois Dositeo estaba morto e eu non deixo de pensar que aquel paxaro optimista é coma el era.
Non foi o coronavirus, senón un cancro implacable quen levou ao escritor Xosé Luís Franco Grande, o 31 de marzo. Presentáranos Ramón Piñeiro en 1973 e aquel día os dous soubemos que eramos da mesma raza: a dos tímidos patolóxicos. Iso creou unha corrente de simpatía entre nós, que se mantivo sempre. Foi doado: eu son de bo xorne e el un arroutado, todo corazón, leal e xeneroso. Cando publiquei o artigo García-Sabell no franquismo, felicitoume e agradeceumo, entusiasmado, porque -pensaba- terá que facer reflexionar aos membros da Academia.
Aquel día pregunteille se tiña datos dunha cea de galeguistas, nos anos 50, nas aforas de Santiago, na que Otero Pedrayo e Álvaro Cunqueiro debateron, durante dez minutos cada un, sobre «o sexo dos anxos». Eu coñezo o feito por Ramón Piñeiro e Fernández Albor, que asistiron, pero Xosé Luís non sabía nada. Días despois escribiume para suxerirme outras vías de investigación. Incrible; estaba gravemente enfermo, pero pensaba en min, e tres días antes de morrer publicou un artigo na Voz, que ditou á filla. Morreu coas botas postas, as do galeguismo; botas de sete légoas, coas que chegou tan lonxe e a tantos amigos, que están a recordalo en artigos fermosísimos. Eu nin o intento e limítome a renegar da morte cabrona que leva a quen quero.



11. International Eskisehir Cartoon Festival ‘OUR DIFFIRENCES AND SIMILARITIES’ Eskisehir, TURK


As Aktiffelsefe Cultural Association, we organize the 11th International Eskisehir Cartoon Festival this year. The theme of the festival is "Our Differences and Similarities". We would be very glad if you could contribute to our festival with your works. Participation terms are attached. 

Best regards

Aktiffelsefe Cultural Association
Eskisehir Branch Public Relations Department
          
11. International Eskisehir  Cartoon Festival ‘OUR DIFFIRENCES AND SIMILARITIES’ Eskisehir, TURKEY



Dear Cartoonist Friend,
Eskisehir International Cartoon Festival is a cultural organisation organized once in two years by Aktiffelsefe Cultural Association. We organize the eleventh one which started in Istanbul first and then moved to Eskisehir. The themes before were Mixed (1997), East – West (2000), Water and Life (2003), Global Warming (2005), Intercultural Tolerance (2007), Energy (2009), Philosophy (2012), Voluntariness (2014), World Heritage (2016) and the theme of the tenth festival was Black-White ‘Compromise’. The tenth festival was organized in cooperation with Eskisehir City Council and 287 cartoonists from 52 different countries participated with 961 cartoons. Festival took place with a panel and an exhibition held in   Eskisehir Haller Youth Center.
The theme of this year’s eleventh International Eskisehir Cartoon Festival has been determined as “Our Differences and Similarities”.
Aktiffelsefe suggests a wholistic development way that can make it possible for both the individual and the society to create solutions for the problems of the modern world by doing voluntary works in different subjects.
With this regard, the idea that the differences and the similarities constitute a way for us to understand all the living things and our place in the whole, that they don’t seperate but unite, form the theme of the 11.th International Eskisehir Cartoon Festival.
Hypatia the philosopher who pioneered the education of many people in The School of Alexandria which is known for its famous library and which is one of the most effective institutions in ancient ages, lived in a time when many differences and different views emerged. She tried to prevent these differences from seperating the people and she gave importance to the things that unite us rather than seperate us. With the inspiration of Hypatia, it is worth considering that our differences besides our similarities can unite us and can help us to create a better society.
Millions of sand particles in a beach are different from each other but they can be together in harmony in a whole. We too are one of the millions of different creatures living on earth. Each one of them being unique is a part of harmony on earth. Our differences and similarities are not good or bad, they are natural factors that move us forward when we realize them. 
Similarity is a very good opportunity to empower two things. Difference always shows us that there are new things we can learn from another. We think that differences and similarities don’t create a problem, on the contrary, they are indispensable in creating a better society which tolerances different life styles and different points of view. Our starting point is the differences and similarities are natural. We expect your cartoons with the theme ‘Our Differences and Similarities’.
The cartoons that will be exhibited in this festival will also be exhibited later in other cities of Turkey such as Adana, Ankara, Antalya, Bursa, Eskisehir, Istanbul, Izmir, Izmit, Mersin where there are branches of Aktiffelsefe and also in other exhibitions which will be organized abroad by other institutions that collaborate with Aktiffelsefe Cultural Associaton.

FESTIVAL CONTENT AND ACTIVITIES:
PARTICIPATION TERMS:
THEME
  1. The theme of the exhibiton is “Our Differences and Similarities”. Cartoons with different subjects can not participate in the festival nor the exhibition. Organizing Committee has all the rights. The Committee works under the leadership of the cartoonist Tan Oral.
TECHNIQUES
  1. Technique is free. It can be black white or coloured.
  2. Size is A4 or A3. Cartoons with sizes other than these will be evaluated but not be exhibited.
  3. One or more than one cartoon can be sent.
SENDING TERMS (POSSIBLE IN TWO WAYS)
  1. Via E-mail: contact@cartoonfest.org
    The works that will be sent via e-mail should be scanned with 300 dpi resolution and uploaded as JPEG format. (2 MB max.) Names of the works should be as follows: name and surname of the artist_country_work no.jpeg (alikorkmaz_turkiye_1)
  2. Via postal office: The works that will be sent via post should not be framed or paspartu. The participation form attached should be filled and resent.
Postal Address: Aktiffelsefe Kultur Dernegi Visnelik Mah. Gul Sok. No:18 26020 Eskisehir – Turkey
RESENDING OF THE WORKS
  1. The works will be archived in Aktiffelsefe International Cartoon Festival archives and will not be resent. (If resending is required, it should be declared.)
USING RIGHTS OF THE WORKS


DEADLINE
  1. The deadline for the cartoons to arrive to the Organizing Committee of the Cartoon Festival is August 15th, 2020.
WHAT IS AKTIFFELSEFE CULTURAL ASSOCIATION?
Aktiffelsefe Cultural Association is a philosophical-cultural movement which was founded in 1989. It has no commercial, political and religious purposes and it is formed by volunteers.  
Aktiffelsefe contributes to the society with public interest activities, to the cultural world with cultural activities, to the nature with ecology activities and to the people in need in emergencies with GEA search and rescue activities. Aktiffelsefe does all these activities based on universal principles:
Aktiffelsefe Cultural Association Eskisehir Branch 
Public Relations Unit
Aktiffelsefe Cultural Association
Visnelik Mah. Gul Sok. No:18  26020 Odunpazari - Eskisehir / TURKEY
Tel: +90 222 220 51 66 
Whatsapp: +90 553 167 26 93
E-mail: contact@cartoonfest.org
Web: www.cartoonfest.org
For your questions, you can send e-mail or phone between 09.00 a.m. and 7:30 p.m.







PARTICIPATION FORM
NAME:
SURNAME:

COUNTRY:

DATE OF BİRTH:
ADDRESS:
PHONE:

E-MAİL:

INSTAGRAM:

EXHIBITIONS:
1.
2.
3.

AWARDS:
1.
2.
3.

BOOKS:
1.
2.
3.
I accept all terms and conditions of the festival which is organized by Aktiffelsefe Cultural Association.
                                                                                                                    Signature


Saturday, April 04, 2020

Historia da arte da Caricatura de Imprensa em Portugal - 1922 por Osvaldo Macedo de Sousa


1922

Apesar da imagem do português ser de um povo antes fatalista que com sentido de humor, não foi apenas nas sociedades cosmopolitas de Lisboa e Porto que a imprensa humorística se desenvolveu. E diversas são os exemplos de jornais regionais de cunho humorístico que surgiram ao longo dos anos, ou de jornais regionais noticiosos que usaram o desenho de humor, com trabalhos de artistas de índole nacional ou local. Uma das muitas localidades com imprensa humorística foi Espinho, e faço esta chamada de atenção precisamente para falar de um artista espinhense, Silvaz que aqui desenvolverá uma obra artística de mérito.
Silvaz, ou Silvério Vaz (1896/1965) foi professor de Desenho, Educação Física, Natação, Co-responsável pelo Colégio Nª Srª da Conceição em Espinho, e dirigente  desportivo do Sporting Clube de Espinho. No campo artístico, para além de caricaturista em diversos jornais locais, e de livros de curso, foi ilustrador, grafista, cenógrafo, vitralista (são da sua autoria os vitrais da Igreja Matriz de Espinho)… enriquecendo ao longo dos anos aquela povoação com a sua actividade.
Neste norte em evolução estética, surgem nomes como Carlos Carneiro, ou D. Fuas. O primeiro, filho já de um consagrado pintor (António Carneiro), irmão de consagrado compositor e músico, dedicou-se a múltiplas actividades, desde aviador, a publicitário, cartazista, ilustrador, assim como à caricatura, tendo obra publicada no "ABC", "Diário de Notícias Ilustrado", Mulheres do Norte, "A Palavra", "Aquila", "Civilização", "Latina", "Ilustração Moderna", "Comércio do Porto", "Renascença", "Eva"… Como referem os críticos de então modernizou em elegâncias a visão intimista paterna.
D. Fuas é naturalmente um pseudónimo, de uma vida dupla. Pseudónimo de Luís de Carvalho Cunha,  Natural de Armamar, onde nasceu a 17/3/1889, virá a morrer no Porto a 12 de Agosto de 1963. Apesar de no inicio ter sido dado como médico, confundindo a sua identidade com outro artista-médico (Otilio de Figueiredo) que por vezes assinou também com o pseudónimo de D. Fuas, este artista era i proprietário da empresa Tipografia Imprensa Portuguesa no Porto.
O seu traço está ligado a uma segunda geração modernista, onde a síntese roça a abstracção na caricatura, enquanto que o desenho de humor segue a escola do modernismo espanhol, menos anguloso, mais rococo de síntese. A sua obra, apesar de também ser publicada nos jornais do sul, dominará durante décadas as páginas dos jornais do norte. Assim encontramos trabalhos seus em "Cocóroco", "Domingo Ilustrado", "Pim-pam-pum", "Sempre Fixe", "Stadium", "Diário de Lisboa", "Primeiro de Janeiro", "Maria Rita", "Diário do Alentejo" (1938), "Maria da Graça" (Luanda 1935)…
Apesar dos diversos pontos do país com actividades próprias e cosmopolitas, Lisboa continua a ser o centro do mundo: Tardes doiradas de Lisboa, - escreve Reinaldo Ferreira, in "Europa" de Abril 1925 -  tardes de Chiado, tardes que morrem com suavidades agonizantes piedosamente infectadas de morfina… Sonho de Paris, visão da Rue de la Paix, um bilhete postal; estampilha de civilização e de elegancia n'um curto envelope, amarfanhado e sujo pelos carimbos dos séculos…
Tardes de chá… Autos que passam, luzindo metaes espelhantes, quasi sem buzinar, sem fazer ruído, como n'uma projecção cinematográfica… Casacos "mujiks", quentes de peles; exposição de rostos maquilhados, desenhos de Penagos, fantasias de Bartolozzi, diabruras de Stuart, caprichos berrantes de Barradas… Olhos verdes e olhos negros, que são de louça; pestanas longas e frizadas por pinças miniaturaes; sobrancelhas finas e brilhantes como virgulas pintadas com tinta da china; cabelos à Garçonne, masculinisando os rostos, transformando as mulheres em gaiatos ingleses… Depois, o carmim a pôr em braza os lábios carnosos, as bocas rasgadas; os batons que desfolham rosas sobre as faces…
Neste ano abre o Salão de Chá "Versailles", multiplicam-se os Chás nas casas das Marquesas, Condessas, os salões literários. As revistas de moda e sociais multiplicam-se, é tempo de informação, de criar um reflexo da sociedade cosmopolita e mundana. Cria-se um diálogo com um público sobre o real, e o desejo de mundaneidade. "ABC", "Ilustração", "Magazine Bertrand", "Civilização"… são revista que como a "Contemporânea" se apresenta como revista feita expressamente para gente civilizada - revista feita expressamente para civilizar gente. No mundo da moda veremos aparecer "Eva", "Voga"…, no campo do cinema "Kino, "Cinéfilo", "Imagem"…, no campo do desporto "Off-Side"…Desenvolve-se a cultura da informação e da imagem, onde a fotografia toma um lugar cada vez mais relevante.
Sobre este Modernismo Mundano o ABC (de 4/10/1928 com texto assinado A.C.) teoriza: Há certos nomes de família que se pronunciam batendo fortemente as sílabas e que ecoam como toques de fanfarra, são nomes gloriosos, cheios de significação, que foram brados de guerra em heróicas batalhas; modernismo é hoje uma palavra que se pronuncia tal como esses velhos nomes heróicos e que para muitos soa como o clangor das trombetas guerreiras.
Modernismo, apesar de ser uma palavra tão velha como o mundo, porque em todos os momentos os homens se sentiram modernos, tem hoje, porém, tão vasto significado que difícil se torna num simples artigo de magazine traduzir o seu valor.
É indubitável que ela traduz uma verdade importante, já que continuamente o ouvimos pronunciar com orgulhos luminosos ou com desprezos enjoados.
Modernismo, é pois, alguma coisa, alguma coisa de tão importante que, por si só, extrema dois campos.
Modernismo é a grande conquista do nosso século, modernismo é o espírito novo, nascido na dor cruciante da grande guerra.
Modernismo é a compreensão da vida, da vida física e da vida mental, que a estulticia, o preconceito ignóbil e as megalomanias imperialistas, aniquilaram no trágico massacre da grande guerra.
Modernismo é o grande impulso naturista do nosso tempo, é a Renascença da vida ao ar livre que o cristianismo triunfante tinha sepultado nas masmorras do preconceito.
Modernismo é uma invencível reviviscência pagã que lançou as mulheres nos stádios, no sport, na vida ao ar livre, que as roubou às penumbras doentias da hipocrisia fradesca, para as entregar à carícia do sol.
Nunca uma civilização foi tão difícil de definir como a nossa, mas, nunca também, uma civilização se mostrou tão diferente das suas antecessoras.
É, primeiramente, o terreno material em que a transformação foi tão rápida, tão fulminante, que ainda nós balbuciamos os princípios de um invento extraordinário e já um outro se anuncia, mais maravilhoso ainda.
A máquina. a grande conquista, a cabal demonstração da divindade do homem, multiplicou-se, lançou os seus milhões de tentáculos para todos os terrenos da actividade dos homens, e moveu aeroplanos, moveu submarinos, lançou em loucas velocidades automóveis e expressos, furou montanhas, rompeu os continentes. modificou a forma dos mares.
E como primeira consequência, a máquina trouxe a morte do tempo e o culto da velocidade.
O tempo quase não existe ante a rapidez fulminante da mecânica moderna, Tudo se faz depressa, numa vibração alucinante, numa actividade febril, que imprimem ao homem de hoje uma concepção nova do valor das coisas.
Mas, se no campo material, o modernismo apresenta uma face mui diversa do que mostrava o século passado; no campo espiritual a transformação não foi menos radical.
O pensamento de hoje é qualquer coisa de tão diferente do que era há vinte anos, que muitos indivíduos, menos aptos à Grande Transformação, ficaram para trás, deixaram-se distanciar pela Ideia Nova, e por mais que queiram «modernismo» é para eles uma «triaga» de valor estranho e que lhe revolta o paladar.
A «humanidade nova» chamou alguém à gente do nosso século, e nenhuma designação é tão justa como essa.
Humanidade nova, com uma sensibilidade que lhe é própria, como uma audácia criadora que varreu quase que inteiramente as peias da tradição.
Um novo credo surgiu, orgulhoso, demoníaco, segundo a doutrina católica, mas coerente e lógico com as conquistas da Idade Moderna.
Os homens de hoje crêem no homem, no seu génio, na sua força criadora, crêem na vida.
Viver é a grande finalidade de hoje, viver vencendo o tempo e gosando as grandes verdades naturais que habitam o coração do homem.
Viver o sol, viver o amor, viver a alegria !
Em tudo se espelha a nova concepção das coisas: na arte, em que junto as linhas puras do Belo se aninha a sinuosidade do Feio, na Ciência em que se investiga, lado a lado, a grande verdade material e a obscura hipótese metafísica.
Modernismo é, sobre tudo, a era da Tolerância, vasta, completa, em que todos cabem, desde que queiram fazer a sua vida, sem proselitismos irritantes, sem hegemonias hipócritas.
Modernismo é, se nos fosse lícito classifica-lo dentro das concepções da nova matemática einsteiniana, dentro desse novo hino à luz, um poderoso feixe de rectas marchando da Terra para o Sol.
Neste ano a SNBA em Lisboa apresentou uma exposição de João Fernandes Thomás, não de pintura ou desenho, mas de fotografias, o que não era habitual apresentar a fotografia como uma arte de galeria. É no fundo uma Galeria de Individualidades de relevo social. Para o nosso caso, o interesse desta exposição de retratos, é que incorpora uma série de retratos de caricaturistas, cujo catálogo faz mini-apresentações dos retratados, com cunho irónico, escritos por dois companheiros das aventuras dos caricaturistas, Afonso de Bragança e Cardoso Martha:
Almada Negreiros (José de). Pintor e Poeta. Autor do k4 Quadrado Azul, da novela A engomadeira, do Manifesto «Anti-Dantas» e doutras obras que marcam pelo seu modernismo exaltado. É um dos mais brilhantes elementos de nova geração - o seu «éclaireur». Figura estranha de cabeça egípcia.
Barradas (Jorge). Caricaturista, mas caricaturista á maneira alemã. A sua arte é graciosa e pequenina. Ele é mesmo um «boche» em miniatura.
Boaventura (Armando). Caricaturista e jornalista. Ilustrador de jornais e revistas.
Cardoso Martha (Manuel). Poeta. Publicista. Interessante espírito de investigador. Autor de dois volumes sobre folk-lore, dum livro de Versos e co-organizador dum valioso In-Memoriam de Eça de Queiroz. Premiado nos Jogo Florais Internacionais de Salamanca. Físico de frade bernardo com alma de benedictino.
Colaço (Jorge). Figura velasquiana, sotaque estrangeiro. Decorativo e decorador. Os seus azulejos são muito apreciados em Portugal. Ele mesmo é um azulejo - sem quadrícula…
Leal da Câmara (Tomás). Pintor. Célebre em Paris e portanto em todo o mundo, no tempo de l'Assiette au beurre. A sua galeria de reis é notável. Hoje, decorador de gosto, Cabeça de papagaio sarcástico. Não podendo trazer Paris para Portugal, pensa em levar Portugal para França, numa aldeia.
Marques (Bernardo). Desenhador. Algarvio. Ilustrador de livros e magazines, cheio de cor. Sugestões cubistas. Cultiva as mulheres feias… em arte.
Soares (António). Pintor. Pintor de mulheres em especial. A sua arte esquemática é um tratado de geometria da mulher. Preços altos.
Sousa (Alberto de). Aguarelista. Sócio dos mais assíduos da associação dos Arqueólogos. Apaixonou-se pelo passado, e fê-lo presente aos seus contemporâneos. É um pintor dos velhos palácios, dos claustros silenciosos, dos recantos pitorescos, campanários visitados das corujas e janelas rotuladas donde namoravam franças e casquilhos.
Stuart Carvalhais (José). Pintor. Um virtuose do lápis. Sensibilidade de artista moderno. Boémio de espírito e de corpo. Em Arte bebe par son verre, que não é pequeno, como o de Musset.
Valença (Francisco). Caricaturista da velha guarda. Expositor do 1º e 2º Salon de Humoristas. Ninguém como ele sabe apanhar o lado ridículo de pessoas e dos costumes. Os seus grotescos não precisam de legenda; fazem rir por si, como o Vale em scena, ainda antes de abrir a boca.
Neste ano o acontecimento mais importante para a sociedade portuguesa será o feito de Gago Coutinho e Sacadura Cabral, que atravessará o Atlântico sul de Avião, numa viagem pioneira.


Exposição virtual “Vírus versus nós”


Cartunistas de todo o mundo na luta contra o coronavírus

A Associação dos Cartunistas do Brasil (ACB) inicia, no site HQMIX (https://blog.hqmix.com.br/exposicao/expo-virus-vs-nos/ ) uma exposição virtual que centraliza a discussão na luta contra o coronavírus, que avança a cada dia pela humanidade.
A exposição está aberta a receber cartuns de todo o mundo. Como a adesão atingirá outros países, as questões políticas locais não serão abordadas, mas sim a condição humana de enfrentar essa pandemia. Os cartuns poderão mostrar políticos representando o poder, mas sem caricaturas de líderes locais, já que é uma expo mundial.

“Os primeiros 60 cartuns já foram postados e, conforme forem chegando, iremos ampliar para que, assim, seja uma exposição viva, que demonstra o quanto o humor gráfico tem de ideias e força, para que todos que estão em casa possam apreciar e pensar”, enfatiza o presidente da ACB, Jal Lovetro.

Para os cartunistas que queiram participar, é só enviar seu cartum para o e-mail flashexpocartoon@gmail.com. A comissão organizadora da Exposição irá postar no site, aos poucos, o material recebido.

Informações para a imprensa:
Way Comunicações
Bete Faria Nicastro
Tel.: 11 3862-1586 e 11 3862-0483
bete@waycomunicacoes.com.br


Sunday, March 29, 2020

Humour & Vigne - REMINDER - 14th International Cartoon Biennial - 2020 - Jonzac – France DATE LIMITE : 1er Avril 2020



D'abord espérons que ce message vous trouve tous en bonne santé et pas trop démoralisé par le confinement et la sinistrose ambiante. Face à la crise qui secoue actuellement le monde entier, nous aurons besoin de rester solidaire et nous vous invitons plus loin à nous partager vos oeuvres sur ce sujet en particulier.*
Pour le moment nous comptons bien poursuivre les préparations de la Biennale aux dates prévues, et d'adapter notre programme au fur et à mesure de nos besoins dans les conditions qui s'imposent.
C'est un grand plaisir pour nous de vous présenter ci-jointe l'affiche de la14e Biennale Internationale du dessin d'humour au Cloître des Carmes de Jonzac du 26 juin au 5 juillet 2020.
Le dessin a été réalisé par la dessinateur mexicano-cubain Ángel Boligán,, invitée d'honneur au Festival de Jonzac cet été. La conception de la maquette est de Zoran Petrovic, invité d'honneur en 2016.
Nous remercions chaleureusement les deux artistes pour leur précieuse contribution et amical soutien.
Un grand merci aussi à toutes les personnes qui nous ont adressé déjà leur contribution à la14e Biennale.
Normalement elles ont reçu ou recevront individuellement un mail de remerciement dans les 15 jours suivant leur envoi.
Si vous le souhaitez vous avez encore 3 jours pour nous envoyer vos oeuvres.
Petit rappel des conditions de participation :
1- NOM : 14e Biennale internationale du dessin d'humour 2020 - Jonzac – France
2- THÈME : JOIE DE VIVRE (avec ou sans lien avec la vigne)
3- DATE LIMITE : 1er Avril 2020
4- PARTICIPANTS : Dessinateurs de tous pays, de tous sexes, de tous âges, de tous cépages...
5- ENVOIS : maximum 3 œuvres. De préférence sans légendes.
L'index du Catalogue et des participants à l'exposition sera diffusé le mi-mai par nos réseaux et le blog : www.h-et-v-2018.over-blog.com
Pour plus d’infos vous trouverez en PJ :
- l'affiche de la14e Biennale
- les conditions de participation
En espérant vivement avoir de vos nouvelles, nous restons à votre disposition pour d'autres renseignements.

Amicalement,
L'équipe d’Humour & Vigne
* En solidarité avec les victimes du pandémie et toutes les personnes luttant en première ligne pour notre survie, nous programmons lors de la prochaine Biennale une exposition dédiée au Covid-19 et en particulier aux joies du confinement.
En complément de votre contribution à la 14e Biennale nous accueillerons donc également les dessins sur ce sujet jusqu'au 15 avril.
Pour la promotion du Festival nous souhaiterions en publier en partenariat avec la presse régionale et sur nos réseaux sociaux.
Par avance merci.

the English version

Dear friends,
First hope that this message finds you all in good health and not too demoralized by the confinement and the ambient disaster.
Faced with the crisis which is currently shaking the whole world, we will need to stand together and we invite you further to share your works with us on this particular subject.*
For the moment we intend to continue the preparations for the Biennale on the planned dates, and to adapt our program as and when required in the inevitable conditions.
It is a great pleasure for us to present to you the poster of the 14th International Cartoon Biennial at the Cloître des Carmes of Jonzac from 26 June to 5 July, 2020.
The drawing was made by the Mexican-Cuban cartoonist Ángel Boligán, guest of honour at the Jonzac Festival this summer.
The design of the model is by Zoran Petrovic, guest of honour in 2016.
We warmly thank the two artists for their precious contribution and friendly support.
A big thank you also to all the people who have already sent us their contribution to the 14th Biennale.
Normally they have received or will individually receive a thank you email within 15 days of their dispatch.
If you wish, you still have 3 days to send us your works.
Little reminder of the conditions of participation:
1- NAME: 14th International Biennial of Humor Drawing 2020 - Jonzac – France
2- THEME: JOY OF LIVING (with or without link with the vine)
3- DEADLINE: April 1, 2020
4- PARTICIPANTS: Designers from all countries, of all sexes, of all ages, of all grape varieties ...
5- SHIPMENTS: maximum 3 works. Preferably without captions.
The index of the Catalogue and of the participants in the exhibition will be distributed in mid-May through our networks and the blog: www.h-et-v-2018.over-blog.com
For more information, you will find in PJ:
- the poster for the 14th Biennale
- the conditions of participation
Hoping to hear from you, we remain at your disposal for further information.
Best regards,
The Humour & Vigne team
* In solidarity with the victims of the pandemic and all the people fighting on the front line for our survival, we are planning during the next Biennale an exhibition dedicated to Covid-19 and in particular to the joys of confinement.


This page is powered by Blogger. Isn't yours?