Friday, April 21, 2017

Humor de Lailson



EXPOSIÇÃO DE CARICATURAS E CARTOONS DE SANTIAGU (António Santos) em Marco de Canaveses, Museu Cármen Miranda, dia 25 de abril, 17h e 30m!



Wednesday, April 19, 2017

XiraCartoon 2017 - Inaugura no proximo dia 22 em Vila Franca de Xira

CARTOONXIRA 2017
 No próximo sábado dia 22 de Abril às 18h, no Celeiro da Patriarcal em Vila Franca de Xira, inaugura a exposição, Cartoons do ano com vários cartoonistas portugueses e o convidado internacional é o Quino. 


Friday, April 14, 2017

Humor de Lailson



„HUMOUR AT ... GURA HUMORULUI”,The International Festival of Cartoon and Humorous Literature The 27nd edition, 2017

Gura Humorului Suceava County Council Mănăstirea Humorului Townhall The Bucovina Cultural Centre Village hall

„HUMOUR AT ... GURA HUMORULUI”, THE INTERNATIONAL FESTIVAL OF CARTOON AND HUMOROUS
LITERATURE The 27nd edition, 2017
The 27nd edition of Humour at ... Gura Humorului, the International Festival of Cartoon and Humorous Literature will be held between 16th and 18th of June, 2017.
THE CONTEST REGULATIONS CARTOONS
1. The Edition theme: THE ART OF MANIPULATING PEOPLE.
2. Original works are accepted, in digital format, created after January, 1st, 2017, which were not published and submitted or awarded prizes to other competitions.
3. Two (2) is the number of papers accepted.
4. The works will be submitted by May, 31th, 2017 (posting date) on the following addresses:
email: umorlahumor@gmail.com or postal address: Muzeul Obiceiurilor Populare din
Bucovina, Piaţa Republicii, nr. 2, 725300 - Gura Humorului, judeţul Suceava, România.
5. Technical requirements:
- Papers sent by e-mail: minimum1600 x 1200 pixels, JPG format
- Papers sent by regular postal mail: format A 3
- The technique used for the works will be at the free choice of the artist
6. The works are not to be returned. They will be added to the patrimony of the Humour at ... Gura Humorului Festival and the organizers are entitled to use them later as edited materials with the name of their author on them.
7. The participants are required the following documents enclosed with their works: the completed entry form attached, a brief CV and a personal photography/cartoon self portrait of minum 6x9cm ( on paper) or 710x1065pix. (digital format).
8. The prizewinners will be notified by June, 14th, 2017 to be present for the Awards Festivity held on Sunday, June, 18th, 2017.
9. Transport expenses, accomodation and meals are the responsibility of the participant or the organization/ institution he/she is part of. The organizers will be notified in due time to make the necessary reservations
10. The prizes to be awarded:
1st Prize : EUR 500
2nd Prize : EUR 300
3rd Prize EUR 200
The "George Gavrilean" Prize for the debutantes in Bucovina - EUR 200
11. The jury are the ones who decide upon awarding or not awarding or re-allocating the prizes. In addition, the jury will decide upon the works or the authors to be rewarded by sponsors, associations, mass-media, institutions, commercial societies or private persons, with their consent.
12. There will be no participation fees.
Further information: The Bureau of Press Relations of „Humour...at Gura Humorului” Festival
· Professor Elvira Romaniuc - Folk Customs Museum in Bucovina ( Muzeul Obiceiurilor Populare din Bucovina )
Telephone: 00 40 740 926 479
E-mail: umorlahumor@gmail.com
· Professor Constantin Logigan – cultural counselor
Telepfone : 00 40 742 925 259

ENTRY FORM
Gura Humorului Suceava County Council Mănăstirea Humorului Townhall The Bucovina Cultural Centre Village hall
„HUMOUR AT .... GURA HUMORULUI”, THE INTERNATIONAL FESTIVAL OF CARTOON AND HUMOROUS LITERATURE The 27 end edition, 2017
ENTRY FORM CARTOON
NAME, SURNAME ………………………………………………………………
AGE…………..........................................................................
ADDRESS……………………………………………………………………………
PHONE………………………………………………………………………………
EMAIL/ WEB SITE…………………………………...........................
Nr. TITLE OF THE WORK TEHNIQUE SIZE
1.
2.
Please include your biography and your personal photo.
The organizers will not give back the art works received!

SIGNATURE, DATE,

International Cartoon-Competition "A Place. Somewhere"

  Dear Ladies and Gentlemen,
                Dear Friends, in announcing the new international cartoon competition A Place. Somewhere* our aim is to gather voices and ideas from different cultures, countries and perspectives. It may help to understand the reasons of flight and migration. We want to make the consequences of war and violent conflicts, climate change, environmental destruction and the effects of various forms of discrimination visible and a subject of discussion again.
                Never before so many people across the world have become refugees or have chosen to leave their countries because they belong to different ethnies or religions or hold a different political viewpoint. We want to ask what does it imply for the lives of people in general, but also especially for women and children. We also want to ask where alternatives come from which contribute to combating causes of flight.
                We would like to ask you to publish and to spread the idea and the announcement of the competition within your possibilities. Please find attached the contact, more information and the conditions of participation in various languages (Arabic, English, French, German, Spanish, Turkish).  Please don’t hesitate to contact us:  competition(at)exile-ev.de
Kind regards
Tina Jerman EXILE-Kulturkoordination
*The competition is a project in cooperation with Engagement Global, commissioned by the federal ministry of cooperation and development.

                Sehr geehrte Damen und Herren,
                liebe FreundInnen, mit der Ausschreibung des internationalen Karikatur-Wettbewerbs „Ein Ort. Irgendwo“*  möchten wir Stimmen und Ansichten aus unterschiedlichen Ländern und Perspektiven sammeln, die es ermöglichen, die Ursachen von Flucht und Migration zu verstehen.
                Wir wollen die Frage nach Alternativen und Ansätzen zur Bekämpfung der Ursachen für Flucht thematisieren und aufdecken und die Lebenssituation der betroffenen Menschen, insbesondere auch die Konsequenzen für Kinder und Frauen, zum Ausdruck bringen.
                Noch nie zuvor war die Zahl der Geflüchteten so hoch. Auf der Flucht vor Kriegen, wegen den Folgen des Klimawandels, auf Grund der sexuellen Orientierung, des Geschlechts, der Religion oder der politischen Ansicht sind Menschen auf der Suche nach einem Leben in Würde und Sicherheit.
                Anbei finden Sie alle nötigen Informationen (Arabisch, Deutsch, Englisch, Französisch, Spanisch, Türkisch).
                Für Rückfragen stehen wir Ihnen gerne zur Verfügung: competition(at)exile-ev.de
Beste Grüße,
Tina Jerman EXILE-Kulturkoordinatorin
*in Zusammenarbeit mit Engagement Global und gefördert vom Bundesministerium für wirtschaftliche Zusammenarbeit und Entwicklung
EXILE-Kulturkoordination
Wandastr. 9
D-45136 Essen
Fon: 0201 747 988 0
Mail: competition(at)exile-ev.de


Sunday, April 09, 2017

XVIII Congreso de la Sociedad Internacional del Humor Luso-Hispano Universidad de Santiago de Chile – Octubre de 2017.

CONVOCATORIA

La Sociedad Internacional para el Estudio del Humor Luso-Hispano realizará su XVIII Congreso los días 24, 25 y 26 de octubre de 2017, en la Universidad de Santiago de Chile, de acuerdo a la siguiente convocatoria.
Tema: Humor, (in)tolerancia y convivencia humana.
Descripción y ponencias. El evento académico, pluridisciplinario, acogerá propuestas de ponencias sobre diversos tópicos vinculados a las representaciones humorísticas y sus conexiones pertinentes con la sociedad: humor y educación, humor y género, humor y estética, humor y medios de comunicación, humor y política, humor y globalización, etc. Las perspectivas teóricas -desde los estudios sociales, culturales, literarios, estéticos u otros- podrán considerar los diversos soportes de las representaciones humorísticas, tales como cine, literatura, gráfica, plataformas digitales, teatro, música, etc.
Resúmenes. Las ponencias podrán ser en español, portugués o inglés. Su lectura pública deberá durar máximo 20 minutos, considerando 10 minutos adicionales para preguntas y comentarios. Para su selección se deberá enviar un resumen cuya extensión no pasará de las 300 palabras, en formato Word, agregando datos académicos y de localización básicos del o la postulante, además: 5 palabras clave, nombre, correo electrónico y dirección.
Plazo de envío de resúmenes: se recibirán desde el 1 hasta el 12 de junio de 2017, en el correo congresohumor2017@usach.cl
Selección. Un comité científico de la Sociedad Internacional del Humor Luso-Hispano y del comité organizador nacional, en este caso de Chile, seleccionará las ponencias a exponer.
Participantes. Podrán presentar ponencias: profesores y académicos universitarios, investigadores independientes, estudiantes de posgrados y tesistas, profesionales del humor (ilustradores, comediantes, escritores, etc.). Para participar con ponencias en el Congreso es requisito ser miembro de la Sociedad Internacional para el Estudio del Humor Luso-Hispano. La cuota de membresía anual se paga al inicio del congreso (US $ 20).
La asistencia a las conferencias y sesiones serán públicas y gratuitas.
Sede: Universidad de Santiago de Chile.
Organizadores locales: Universidad de Santiago de Chile. Colaboran: Fundación Humor Sapiens y RíEH (Red de Investigación y Estudio del Humor).
Segunda convocatoria. Con el fin de entregar mayor información sobre comité organizador, comité científico, ponentes plenarios, cuotas de inscripción, posibilidades de hospedaje, etc. se emitirá una segunda convocatoria durante la primera semana de mayo de 2017.

Todas las preguntas relacionadas con la Sociedad podrá hacerlas a humor.luso.hispanico@gmail.com

Un año de cárcel por un chiste en España

Un año de cárcel por un chiste en España - Março 2017

En España un juez acaba de dictar una sentencia de un año de cárcel para Cassandra, una tuitera que subió a las redes un chiste sobre la muerte de Carrero Blanco, un político fascista y militar de la dictadura de Franco y que después fue jefe del gobierno franquista. Lo asesinaron en un atentado hace mas de 43 años.
El juez estimó que era una estimulación terrorista lo que hizo Cassandra, basándose en una vieja ley, que tiene mucho de interpretación.
Es bochornoso que ese juez haya interpretado de esa manera la ley, solo porque no le dio gracia el chiste, ya que ofendía su ideología. Esa es la única razón para entender tal desatino.
Por lo tanto, para conseguir que de verdad se respete la libertad de expresión en ese país, con urgencia los políticos deben cambiar esa ley o las autoridades echar a la calle a ese juez para dar un escarmiento. Pero algo deben hacer para que esa señorita no pague por el descriterio de otros.
Una vez más el humor es reprimido y se supone que en plena democracia.

Desde aquí les enviamos nuestras buenas vibras a Cassandra y nos unimos a muchos humoristas españoles en sus protestas.

Fotos da inauguração da exposição de MMS (Margarida Macedo de Sousa) "Impressões de um Microcosmos" no espaço Atmosfera M (Rua Castilho 5 Lisboa), cuja exposição está patente até 28 de Abril





 António Barroso Cruz, Margarida Macedo de Sousa e Osvaldo Macedo de Sousa
 algum dos amigos (José Monginho, João Rosa, Carlos Guilherme...)
 Carlos Guilherme, André Monginho, Ana Claudia Magalhães, Vasco Gargalo



Carlos Homem, Rui Pimentel, ? , Margarida Macedo de Sousa, José Guimarães

Friday, March 31, 2017

“Os Ridículos” e “O Sempre Fixe” como dois históricos jornais satíricos por António Gomes de Almeida


Provavelmente, as gerações mais novas não terão ideia da importância que assumiram, na vida nacional, estes dois jornais – que alguns leitores, nas suas respectivas épocas, apelidavam de “humorísticos”, outros de ”satíricos”, outros ainda, depreciativamente, de “jornais de chalaças”... Na verdade, quem vive nos tempos de hoje não se apercebe facilmente (aliás, como já acontecia com boa parte dos leitores de então) do papel importante que estas duas publicações representavam – um papel talvez não muito evidente no capítulo da informação, mas muito acutilante nacrítica social e política a tudo o que se passava no nosso país.
E foram, também, estes dois jornais, os que tiveram vidas mais longas, entre os da sua especialidade. Por isso (pelos conteúdos e pela longevidade) se lhes aplica o qualificativo de ”históricos”.
(No final, referiremos outras publicações do mesmo tipo, as quais, por contraste, tiveram vidas curtíssimas).


OS RIDÍCULOS
O jornal “Os Ridículos” nasceu em 1895, tendo saído uma primeira série, até 1898; suspendeu-se então a publicação, por problemas financeiros, como tradicionalmente viria a aconteceria a muitos outros do género. A sua primeira redacção era na Rua Augusta, nº 47, era seu director Cruz Moreira (“Caracoles”) e tinha um programa, no qual se lia: “A nossa missão é ridicularizar, apepinar, troçar a humanidade em geral, e os políticos em particular. Não nos movem ódios, nem malquerenças, nem é nosso intento ferir, ou molestar as susceptibilidades de alguém”). Na prática, não seria bem assim, mas ficava bem anunciar estas boas intenções, comuns a muitas outras publicações de então (e de agora…)
Renasceu em 1905, ano em que “Caracoles” pegou novamente na publicação, com a colaboração de “Esculápio” (Eduardo Fernandes). Instalou-se no Bairro Alto, na Rua da Barroca, juntando-se assim a outros jornais cujas redacções funcionavam igualmente naquele bairro lisboeta. O jornal teve uma fase de grande desenvolvimento, enveredando pela crítica política e social e pela sátira aos acontecimentos dominantes da época. Os seus comentários e, sobretudo, as suas capas, desenhadas por uma série de talentosos desenhadores, granjearam-lhe uma popularidade e expansão que se manteriam praticamente até quase ao fim. Tendo começado como semanário, a certa altura passou a ser publicado duas vezes por semana, particularmente em épocas de campanhas eleitorais, em que os assuntos abundavam mais, e a Censura fingia que abrandava um bocadinho…
Entre 1933 e 1945, o jornal foi dirigido por Rebelo da Silva e contava com a colaboração literária do “Repórter Melro” (Aníbal Nazaré), “Xouxa Pinto” (H. A. Sousa Pinto), “Zecas Telo” (José Castelo), “Zé Descarado”, “Repórter Escova” e “Repórter Graxa” (3 pseudónimos de José Rosado), “Zé Pacóvio” (João Henriques de Almeida), e Elmano Siamor (M. M. Canaveira). Os desenhos publicados na primeira página davam-lhe um traço inconfundível.
Com o Estado Novo, a partir de 1933, o jornal foi confrontado com a censura prévia às publicações periódicas, o que complicou bastante a sua existência. Era necessária alguma cautela para fazer publicar os textos e as capas, estas com desenhos ou caricaturas de Silva Monteiro, Natalino Melchiades, José Pargana, “Alonso”, Américo, Stuart e Colaço.
O Zé Povinho, a genial criação de Rafael Bordalo Pinheiro, reproduzido no traço de tantos outros desenhadores, era omnipresente, e era a principal vítima dos censores, ao ser apresentado como símbolo do povo sobrecarregado de impostos e contribuições, sofrendo a carestia da vida, o racionamento de géneros alimentares e o desemprego.
Também era preciso ter cuidado nas referências às guerras (a de Espanha e depois a Segunda Guerra Mundial), bem como à política internacional. Os acontecimentos eram filtrados pela política de informação do Estado Novo, fortemente condicionada pela neutralidade do país, e levando a violentos cortes. Fazer um jornal nestas condições não era nada fácil...


GRANDES DESENHADORES
Sempre “Os Ridículos” teve excelentes colaboradores artísticos, representando gerações diferentes, como os já citados Silva Monteiro e “Alonso” (J. G. Santos Silva), que criou o desenho gráfico do jornal e os sucessivos cabeçalhos. Era professor na Escola António Arroio, admirador de Rafael Bordalo Pinheiro e do seu estilo.
Noutra geração, mais moderna, encontra-se Natalino Melchiades, que expôs nos Salões dos Humoristas, em 38 e 40, continuando a publicar nas décadas seguintes, e José Pargana, que se dedicava, sobretudo, ao cartoon desportivo, que começou a publicar em meados dos anos 30. Foi Stuart Carvalhais que o trouxe para o mundo da caricatura, onde trabalhou mais de meio século. Ainda desta geração temos o contributo artístico de Américo (com uma importante referência ao desenhador Walt Disney, adaptando a publicidade ao filme “Branca de Neve e os Sete Anões” – o que mereceu apresentação de Almada Negreiros) – e os trabalhos, próximos da BD, de Colaço (pensa-se, sem que haja certeza, que seria o mesmo Jorge Colaço que já dirigira outro jornal humorístico, “O Thalassa”; ora, se assim for, teríamos, noutra vertente artística, o autor de belíssimos painéis de azulejos, como os da Estação de São Bento, no Porto; mas existe a dúvida de se tratar ou não do mesmo artista, já que, nessa época, não se dava a importância que se dá hoje às assinaturas dos ilustradores).
A partir de 1945, começou a colaboração de Stuart em “Os Ridículos”, marcando uma nova época na vida artística do jornal, desde logo criando-lhe outro cabeçalho. Stuart Carvalhais era já muito conhecido pelo seu risco inovador, muitas vezes desenhado com um pau de fósforo, e pela beleza das suas figuras femininas, bem como pelo pitoresco das cenas de rua e pelo humor popular que lhe valeria uma enorme aceitação por parte do público. Stuart trabalhou incansavelmente, não só na ilustração, mas também no cartaz, em cenários de Teatro, capas de discos e BD, e permaneceu no jornal até ao fim, desenhando inúmeras capas e ilustrações, com o seu traço inimitável.
A publicação de “Os Ridículos” terminou em 1984, juntando-se este título, com tantos anos de existência, aos de muitos outros jornais e revistas do género, surgidas depois do 25 de Abril, e que tiveram vida efémera.   


O SEMPRE FIXE
O primeiro número deste semanário foi publicado a 13 de Maio de 1926. O director e editor da nova publicação era Pedro Bordallo Pinheiro, cujo apelido nos remete, naturalmente, para essa numerosíssima família, da qual fizeram parte pintores, jornalistas e muitas outras figuras de grande notoriedade. A propriedade do novo jornal era da Renascença Gráfica, que também detinha o “Diário de Lisboa”, um importante e respeitado vespertino, que se publicaria desde 1921 a 1990.
Não é fácil estabelecer, com precisão, as datas de publicação de “O Sempre Fixe”, que teve várias interrupções e ressurgimentos, particularmente nos últimos anos da sua existência.
O que é inegável é a qualidade de muitos dos seus colaboradores, entre os quais é justo destacar o caso especial do pintor Carlos Botelho, que ali publicou, ininterruptamente e durante mais de vinte e dois anos (!), uma página intitulada “Ecos da Semana”, uma espécie de resumo gráfico dos mais importantes acontecimentos registados no país. Nem todos, porque a Censura frequentemente lhe aplicava a “lei da tesoura”, ou do “lápis azul”, mandando eliminar temas considerados nocivos ou perigosos para o prestígio do Estado Novo. Quando isso acontecia, ele metia o desenho de um pequeno mocho, e toda a gente já sabia o que aquilo significava: “aqui houve corte”…
(Talvez valha a pena explicar, aos leitores mais novos, e que não conheceram esta instituição, que a Censura eliminava, não apenas os temas que considerava “perigosos”, mas também, por vezes, textos ou ilustrações cujo sentido não entendia lá muito bem – e então, à cautela, cortava mesmo, não fosse dar-se o caso de ali estar escondido algo de subversivo!... Pode parecer incrível, mas sobram os exemplos deste tipo de actuação).
Com ou sem Censura, o que é certo é que “O Sempre Fixe” se tornou um semanário satírico de referência, onde foram publicados textos e ilustrações de gente tão talentosa como Almada Negreiros, Stuart Carvalhais, Jorge Barradas, Bernardo Marques, Amarelhe, Roberto Nobre, Paulo Ferreira e Francisco Valença (este último criador da maioria das capas, nas últimas edições e até ao fim do jornal). 
A primeira série de “O Sempre Fixe” terminou no nº 1713, de 18 de Março de 1959, a seguir à morte de Artur Portela (pai). Mas houve, depois, números anuais, com tiragens simbólicas, apenas para garantir o título, até ao nº 1727, de 5 de Março de 1973.
Podem ser consultadas as edições de ”O Sempre Fixe” na Hemeroteca de Lisboa, mas de forma algo deficiente.
Curiosamente, uma nova série começou a ser publicada no dia 6 de Abril de 1974, poucos dias antes dos acontecimentos de 25 desse mês. Nessa série, que durou pouco mais de um ano, surgiram excelentes capas e ilustrações de João Abel Manta, e uma capa do francês Siné, já em 1978.
Depois, saíram ainda alguns “números especiais”, aparentemente só por saudosismo, o último dos quais acompanhando um número também especial do “Diário de Lisboa”, em 2015.

HUMOR DE VIDA CURTA
Contada a história destas duas publicações, que foram, no seu género e no nosso país, as de vida mais longa, registe-se que, logo a seguir, em termos de longevidade, tivemos uma publicação intitulada “Bomba H”, em formato de pequeno livro, a qual, discretamente, durou quase 17 anos ininterruptos! Teve capas de Victor Ribeiro e de Zé Manel.
Com duração intermédia, tivemos o “Cara Alegre”, de 1951 a 1958, dirigido por Nelson de Barros, e com capas de Stuart e depois de José Viana.
Houve outras, mas seria exaustivo fazer a lista completa. Por isso, para remate, talvez seja curioso mencionar agora, por contraste, alguns jornais satíricos de vida mais curta. O que menos durou, entre todos, foi o “Macaco”, de 1974, do qual apenas se imprimiu um número Zero… que nem chegou sequer a ser editado! Tivemos, muito antes deste, “A Bomba” (1946/47), que durou 2 anos; o “Picapau” (1955) que durou 7 semanas; a “Parada da Paródia” (1960/62) 2 anos; e uma infinidade de jornais do pós-25-de-Abril, que, mal surgiram, logo desapareceram: “Evaristo”, “O Coiso”, “A Chucha”, “Chaimite”, “A Pantera”, “A Pomba”, “O Chato”, “O Cágado”, “A Laracha”, “O Olho”, “Pão com Manteiga”, “O Bocas”, “Fala Barato”, etc.

Perante estes exemplos, não há dúvida de que “Os Ridículos” e “O Sempre Fixe” assumem o estatuto de Veneráveis Patriarcas do Humor Português!

GHIBLI Logistics Cartoon Conest


Theme: Forwarding (on the road, water and air), Logistic, Wharehouse logistic.
Deadline: 30th april 2017
Only by internet - e-mail address: grafikuskelemen@gmail.com
Regards: István Kelemen
Hungary


Roque Gameiro na Imprensa - A desenhar e a documentar graficamente - Inaugura dia 1 na Casa Roque Gameiro da Amadora



Thursday, March 30, 2017

FENAMiZAH / Nisan, 2017 - No: 62

FENAMİZAH e-humor magazine NEW ISSUE IS LIVE !
FENAMiZAH / Nisan, 2017 - No: 62
The follow to read online & download:
and on the other digital platform:
The published with the contribution of the worldwide authors. Thanks to all!
for your works and communication
reminder for the next issue..
if you want send yours works for next issue
DEADLINE: April 15,
Best regards..
aziz yavuzdoğan
grafik tasarımcı & karikatürist  / graphic designer & cartoonist
yayın yönetmeni  / editor in chief 

FENAMİZAH e-dergi
dijital platformlar:


This page is powered by Blogger. Isn't yours?